Ansiedade · Bad · Depressão

Segunda-feira e a bad ainda tá comigo

Passei um final de semana maravilhoso. Teve namorado, primas, pokemons, comidas gostosas, vitórias do Brasil nas olimpíadas, o encerramento das olimpíadas que foi MARAVILHOUSOR E CHOREI MUITOS CHOROS. Foi tudo lindo, maravilhoso, perfeito, eminha feliz, livre, leve e solta. – estou momentaneamente confusa porque tem dois bebês chorando, umas quatro pessoas usando apitos, sirenes tocando em algum lugar perto, pelo menos três cachorros latindo e a máquina de lavar funcionando. tô atordoada. pronto, parou por enquanto. – MAS AÍ acabou o encerramento das olimpíadas, aquela sensação quando acaba o fantástico e você se dá conta que amanhã é segunda. Eu ainda tava meio de boas e tentei argumentar com a bad.

E aparentemente ganhei a discussão. Tava tudo claro.

Acordaria a hora que fosse, arrumaria o quarto, reorganizaria meus cronogramas, faria o que conseguisse, iria para a academia. Sucesso de segunda-feira.

Mas claro, não foi bem assim.

Tive vários pesadelos, dormi mal, acordei super tarde me sentindo um lixo já esmagado pelo caminhão de lixo e todo o meu chorume já tinha escorrido. Aí a bad volta.

E com ela, vem os questionamentos.

Não tô atualizando minha página, será que é isso mesmo que eu quero fazer? Comi super errado nas duas últimas semanas, devo ter engordado tudo de novo, será que tá na hora mesmo de fazer uma reeducação alimentar? Faltei quase duas semanas na academia, será que eu deveria cancelar a matrícula e ficar livre? Tô super dependente emocionalmente dos outros, será que eu tenho condições de seguir com os meus planos de carreira, projetos de crescimento, etc? Não tenho conseguido lidar com estranhos sozinha de novo, será que fotografia é mesmo o que eu quero fazer, sem condições emocionais, sem criatividade, sem disciplina, sem responsabilidade? Eu tô paralisada, nem procurar fotos num HD eu tenho conseguido, será que eu não deveria ficar internada um tempo até me sentir mais capaz? Será que eu não deveria dar uma pausa nas coisas por um tempo até me sentir mais capaz?

Estou numa pausa que já dura duas semanas.

E não fiz absolutamente NADA. Não me cuidei, não cuidei do meu quarto, não cuidei dos meus gatos, nada. Ok, NADA é um termo muito forte. Fiz algumas coisas sim. Se dê um pouquinho de crédito, Emília. Saí, me diverti, esqueci um pouco a bad, ajudei minha mãe algumas vezes, escrevi aqui (o que tem ajudado um bom bocado). Consegui viver um pouco, livre disso. Tenho que olhar para esse lado também. Mas quando eu penso na produtividade, na perda de peso, no crescimento pessoal, na vida profissional, NOS MÉDICOS E EXAMES QUE EU TINHA QUE TER MARCADO HÁ MESES e olho para o que consegui fazer, me sinto de novo uma criança despreparada. Eu sei, tenho condições mentais que me impedem de fazer certas coisas, que cortam os pensamentos positivos etc. Mas ver o meu estado agora, hoje, segunda, 22 de agosto, só me faz pensar como eu estou despreparada, dependente, paralisada, inútil. Eu lembro do que minha psicologa já falou “você não parou, apenas deu uma pausa e depois retomou”, lembro de tudo de positivo que meu namorado já me disse, de como sou capaz e competente, lembro do meu psiquiatra dizendo como esse estado é normal para minhas condições, lembro de mim mesma dizendo para me dar uns bons créditos pelo que já consegui alcançar, lembro dos livros, dos conselhos, das palavras de encorajamento que encontro em tantos lugares. Coisas que me digo todos os dias, que já viraram frases automáticas na minha cabecinha, de como tudo tá dando certo e eu tô caminhando no meu próprio tempo e fazendo o que posso e me respeitando e como eu deveria me orgulhar disso.

Mas eu só consigo me sentir uma criança inútil e despreparada. Dependente emocionalmente da mãe, do pai e do namorado. Que só quer ficar na cama, que só quer comer porcaria, que não quer tentar enfrentar isso e fazer qualquer coisa “produtiva”.

Acho que nesse momento minha psicologa diria “vamos olhar para esse conceito de produtividade que você tem em sua cabeça”.

Porque assim, eu poderia considerar o fato de conseguir sair da cama, sentar aqui e escrever isso numa tentativa de aliviar meu cérebro algo BASTANTE produtivo. Porque EU CONSEGUI SAIR DA CAMA (e não é nada fácil com uma cama como a minha). EU CONSEGUI ABRIR O BLOG E ESTOU ESCREVENDO NUMA TENTATIVA DE PELO MENOS ALIVIAR MINHA MENTE e um mega bônus se eu conseguir alguma resposta positiva (de mim mesma) e sentir alguma coragem de fazer alguma coisa. Isso já poderia ser considerado produtivo, em relação como eu venho me sentindo essas semanas. Comer já deveria ser considerado algo produtivo, mesmo que seja fora do plano alimentar. TOMAR MEUS REMÉDIOS É ALGO EXTREMAMENTE PRODUTIVO! Meu final de semana deveria ser considerado algo produtivo. Eu deveria me sentir orgulhosa de mim de conseguir levantar da cama e fazer qualquer coisa. Drama, né? Mas não é. Porque tem dias que eu realmente me sinto incapaz de mover um músculo sequer. Tem dias que eu durmo o dia inteiro e minha mãe precisa me acordar para comer e beber água. Já passei três dias sem tomar banho, saindo da cama só pra fazer xixi e coco. Só deitada intercalando entre dormir um sono perturbado cheio de pesadelos, e acordar e ficar pensando o quanto eu sou uma merda e deveria ceder meu lugar para alguém que tenha vontade de aproveitar as oportunidades e vida boa que eu recebi. Uma verdadeira ingrata incapaz.

Então, levantar da cama e fazer QUALQUER COISA já deveria ser considerado produtivo para mim.

MAS EU NÃO CONSIGO. Eu só penso como já tenho 26 anos e nada conquistado. Ouço minha psicóloga falando algo do tipo “E o que você já queria ter conquistado aos 26 anos?”. Independência financeira, saúde, poder ajudar minha mãe. Eu tinha vontades de já ter meu carro, casa, casamento, ser bem sucedida naquele ideal de riqueza mesmo sabe? Seguir o padrão que minha família segue, que eu vi minha irmã e minhas primas seguirem a vida toda e me senti atrasada, para trás. A única artista da família que vai morrer de fome porque não fez um concurso público. Queria ser bem sucedida para mostrar pra todo mundo como consigo ser tão bem sucedida OU AINDA MAIS do que os concursados e passar na cara, com minha sede de vingança. Oi primas, já peço perdão se estiverem lendo isso porque eu realmente me sinto extremamente pressionada vendo o que vocês já conquistaram, o que vocês tinham na minha idade, e que eu não tenho nem 10%. E eu sei que essas comparações são erradas, porque cada um tem sua linha de raciocínio, cada um tem suas condições mentais e materiais de vida. Ninguém é cópia de ninguém. Muito felizmente eu tirei esses conceitos da minha cabeça e decidi ser eu mesma. Seguir o que eu quero seguir. Fazer o que eu quero fazer. E tenho plena noção de que se eu quisesse essa vida de concurso público estaria na mesma merda porque: não conseguiria estudar, e se passada e aprovada e chamada, não conseguiria trabalhar. E ia ser pior ainda porque eu teria chefes, colegas, pessoas para dar satisfações E AINDA MAIS PRESSÃO NA MINHA CABECINHA. Então, eu consegui tirar esses ideais, que não são genuinamente meus, da minha cabeça. Sinceramente mesmo, o que eu queria já ter conquistado na plenitude dos meus 26 anos era dinheiro o suficiente para minha mãe não precisar gastar comigo, e sobrar ainda alguma coisa para ajuda-la. Me sentir ativa, sentir que estou trabalhando de verdade. Não me sentir envergonhada ao pedir para pagarem algo para mim. Poder pagar minha academia, meus remédios, minhas saídas. Poder pagar o que eu preciso e um pouco do que eu quero. Ter uma poupancinha onde eu depositasse nem que fosse 50 reais por mês para investir num apartamento daqui a 10 anos que seja, investir em equipamentos fotográficos. Queria sentir que estou dentro do cronograma para as perspectivas e sonhos que eu tenho.

Mas só sinto que estou atrasada. Que tenho a idade mental de 6 anos de idade. Que vou completar 30 anos e estarei aqui, no mesmo lugar. Isso se eu não desistir de tudo antes. Só sinto o nada que tenho conseguido fazer na ideia de “produtividade” de publicar na página, de divulgar meu trabalho, de correr atrás de clientes, de correr atrás da minha saúde e do meu desenvolvimento psíquico.

Eu mesma me pressiono.

Eu sei, preciso ter paciência. Oficialmente comecei esse ano minha carreira fotográfica profissional. Demora. Eu não preciso postar na página todos os dias. Eu não preciso ter retorno imediato. Eu não preciso ser um gênio bem sucedido da fotografia.

Eu sei, preciso ter paciência. Oficialmente comecei esse ano minha busca pela saúde da minha própria parte. Demora. Eu não preciso perder um quilo por semana. Eu não preciso ir pra academia todos os dias. Eu não preciso seguir a risca o plano alimentar. Eu não preciso ser um milagre da ciência que perdeu 20 quilos em dois meses.

Eu sei, preciso ter paciência.

Pausas são necessárias. Descansos são necessários. Auto amor e auto cuidado são necessários. Deixar o mundo de lado um pouco é necessário. Sentir essa auto pressão é extremamente necessário para que eu possa argumentar comigo mesma e conseguir dar mais um passo para frente.  Pensar no que eu realmente preciso agora é necessário. E o que eu preciso fazer agora é simplesmente almoçar. Depois disso eu penso na próxima coisa que preciso fazer, sem tentar me pressionar, tentando provocar o alívio e não mais sofrimento.

Mas não é fácil. Sei que vou continuar me sentindo inútil, improdutiva, que não tô dando o melhor de mim, que poderia fazer mais. Mas paciência. Quem consegue ser útil, produtiva, dar o melhor de si e fazer mais de estômago vazio e se sentindo exatamente o oposto disso tudo?

Passei duas semanas de bad me sentindo improdutiva, sem cuidar de mim. Hoje é segunda feira, 22 de agosto e eu, pelo menos, consegui escrever aqui e argumentar comigo mesma que hoje preciso cuidar de mim.

Vou fazer o que der vontade, o que deixar meu cérebro tranquilo. TENTAR DRIBLAR A CULPA E A PRESSÃO. E tentar seguir em frente. Isso já pode ser considerado produtivo, né? Bem, vou tentar.

Quero jogar The Sims 1

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s